UCDigitalis >
IMPACTVM >
Ciências Sociais >
CEDOUA >
RevCEDOUA A. 6, nº 11 (2003) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316.2/8544

Title: Comentário ao Acórdão do STA de 5 de Junho de 2001, Rec. n.º 47 514: 1.ª subsecção do Contencioso Administrativo
Authors: Oliveira, Fernanda Paula
Keywords: Responsabilidade Civil Extracontratual de Município por Factos Lícitos
Nulidade Processual
Nulidade de Licenciamento de obras particulares
Causalidade adequada
Issue Date: 2003
Publisher: CEDOUA
location : Local:Coimbra
Abstract: Res:I – A falta de vista ao M.º P.º que precede a sentença nos termos do n.º 2 do art. 72.º da LPTA consubstancia nulidade processual secundária, visto que tem influência no exame e decisão da causa, que determina a anulação do acto onde se verificou e dos termos subsequentes que dela dependam absolutamente (art. 201.º, n.os 1 e 2, do CPC, aqui aplicável ex vi dos arts. 1.º e 102.º da LPTA). II – Porém, tal nulidade não é do conhecimento oficioso do tribunal, tendo de ser arguida ou no próprio acto se a parte nele estiver presente ou, então, no prazo de dez dias a contar do dia em que, depois de cometida, a parte intervier em algum acto praticado no processo ou for notificada para qualquer termo dele, mas neste último caso só quando deva presumir-se que então tomou conhecimento da nulidade ou quando dela pudesse conhecer, agindo com a devida diligência, sob pena de se considerar sanada por falta de arguição tempestiva (arts. 202.º, 205.º, n.º 1, e 153.º do CPC). III – O Estado e demais pessoas colectivas públicas deverão indemnizar os particulares a quem, no interesse geral, mediante actos administrativos legais ou actos materiais lícitos, tenham imposto encargos ou causado prejuízos especiais e anormais (art. 9.º, n.º 1, do DL n.º 48 051, de 21 de Novembro de 1967). IV – São nulos os actos administrativos que decidam pedidos de licenciamento que violem o disposto em plano municipal do ordenamento do território ou alvará de loteamento em vigor, constituindo-se o município, em tais situações, na obrigação de indemnizar os prejuízos causados aos interessados (art. 52.º, n.º 2, al. b), e n.º 5 do DL n.º 445/91, de 20 de Novembro, na redacção dada pelo DL n.º 250/94, de 15 de Outubro). V – Porém, para que tal responsabilidade exista, é necessário que haja um nexo de causalidade adequada entre os danos sofridos e a actuação dos titulares do órgão do município que praticaram os actos declarados nulos. VI – Tal nexo de causalidade existe, bem como a obrigação de indemnizar, quando os licenciamentos nulos sejam imputáveis à conduta consciente e culposa dos titulares dos órgãos, ou seja, quando estes, com dolo ou mera negligência, licenciem obra que sabem ou deviam saber, violar plano urbanístico válido e eficaz ou alvará de loteamento em vigor. VII – Já tal nexo de causalidade não existe se o licenciamento declarado nulo for imputável à conduta do próprio requerente do licenciamento que induziu em erro os titulares do órgão do município licenciadores, apresentando o termo de responsabilidade a que alude o art. 6.º do DL n.º 445/91, na redacção do DL n.º 250/94, e demais elementos instrutórios do processo no sentido de fazerem crer a legalidade do licenciamento, quando este, em boa verdade, violava as regras do Regulamento de Plano de Pormenor e do próprio alvará de loteamento em vigor.
URI: URI:http://hdl.handle.net/10316.2/8544
ISSN: ISSN:0874-1093
Appears in Collections:RevCEDOUA A. 6, nº 11 (2003)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
5.pdf1.35 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open
5.preview.pdfGenerated Preview1.3 MBAdobe PDFView/Open
5.pdf2.pngGenerated Thumbnail21.91 MBimage/pngView/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.