UCDigitalis >
IMPACTVM >
Ciências Sociais >
CEDOUA >
RevCEDOUA A. 4, nº 8 (2001) >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10316.2/6202

Title: Interesse público, interesses privados e omissões de uma decisão de direito
Authors: Mendes, Joana
Keywords: PROTALI
Loteamento
Caducidade das licenças
Declaração de compatibilidade
Constitucionalidade (orgânica e material do DL N.° 351/93, de 7 de Outubro)
Recorribilidade
Legitimidade activa
Aceitação do acto
Direito de edificação
Audiência Prévia
Issue Date: 2001
Publisher: CEDOUA
location : Local:Coimbra
Abstract: Res:I - O acto proferido nos termos dos n.os 1 e 2 do art. 1.° do Dec.-Lei n. 351/93, de 7 de Outubro, quer seja ou não de compatibilidade. não se limita a declarar uma qualquer situação existente, antes consubstancia uma apreciação ex novo, ou pelo menos uma reapreciação da respectiva licença ou aprovação, em função de um quadro jurídico urbanístico que não existia à data em que haviam sido concedidas, acto que, por isso, nem é acto confirmativo, nem certificativo ou declarativo. II - Terá interesse na anulação do acto impugnado aquele que, com verosimilhança, aferida pelos termos peticionados, materialmente bem ou mal fundada, invoque a titularidade no seu património jurídico de um direito subjectivo ou de um interesse legalmente protegido lesado com a prática do acto, retirando da anulação pretendida uma qualquer utilidade ou vantagem digna de tutela jurisdicional. III - No direito de propriedade constitucionalmente consagrado não se tutela o jus aedificandi, um direito à educação, como elemento necessário e natural do direito fundiário. IV - Tendo em atenção o disposto no art.° 267.°, n.° 4, da CRP e art.os 8.°, 59.° e principalmente o art.° 100.°, todos do CPA, a regra é a de que os interessados têm o direito de ser ouvidos antes da tomada da decisão final, facultando-lhes, por este modo, a possibilidade de terem uma participação útil no respectivo procedimento. V - Não resultando do próprio despacho recorrido, nem dos elementos instrutórios, designadamente da informação em que directamente se baseou, referências, factos ou circunstâncias, através dos quais seja razoavelmente de prever que a audiência prévia da recorrente, a ter tido lugar, comprometeria o efeito útil da decisão ou implicaria prejuízo significativo no que concerne aos seus elementos fundamentais, não se podia dispensar a audiência prévia do interessado, nos termos do art.° 103.°, n.° 1, al. b), do CPA. VI - O DL n.° 351/93, de 7 de Outubro, não está ferido de qualquer inconstitucionalidade orgânica ou material, não violando a reserva legislativa da Assembleia da República, nem os princípios da autonomia das autarquias, da irretroactividade da lei em matéria de direitos análogos a direitos fundamentais, ou da proporcionalidade.
URI: URI:http://hdl.handle.net/10316.2/6202
ISSN: ISSN:0874-1093
Appears in Collections:RevCEDOUA A. 4, nº 8 (2001)

Files in This Item:

File Description SizeFormat
7.pdf2.75 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open
7.preview.pdfGenerated Preview2.64 MBAdobe PDFView/Open
7.pdf2.pngGenerated Thumbnail21.61 MBimage/pngView/Open

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.